" Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta. AI DE MIM SE EU NÃO ANUNCIAR O EVANGELHO. (I Cor 9,16)

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Ao eterno amor...

Hoje, festa do corpo e sangue de Jesus, me vinha ao coração um canto que há tempo não ouvia. Ao eterno amor, do canto Walmir Alencar. Pude na Santa Missa contemplar Jesus Eucaristico e me fazia as seguintes palavras: Como pode ser? Como um Deus tão grande pode está num pequeno pedaço de pão?
 Mais como continua o canto, só por amor, que Jesus se fez pequeno para está mais perto de nós. E só por amor, conseguimos contemplar a sua  presença nas espécies do pão e do vinho. Cantemos, adoremos ao Senhor, tão presente e tão próximo de cada um de nós. Ele está em todos os sacrários a nos esperar para saciar-nos com sua doce presença.


quarta-feira, 8 de junho de 2011

COMO PREPARAR-SE PARA PRATICAR O JEJUM?

O jejum é um sinal externo da conversão do coração. Portanto, sua preparação exige um profundo exame de consciência e uma atitude de contrição, de arrependimento de nossas fraquezas e um propósito firme de mudança de vida.
Pela boca do profeta Isaías, o Senhor revela o sentido da conversão que deve acompanhar o
jejum: “Sabeis qual é o jejum que eu aprecio? - diz o Senhor Deus: É romper as cadeias injustas,
desatar as cordas do jugo, mandar embora livres os oprimidos, e quebrar toda espécie de jugo” (Is 58, 6).

 COMO PRATICAR O JEJUM?

O jejum deve estar associado a uma visão positiva da vida espiritual, o que impede que seja compreendido como uma pena ou sacrifício ruim. Deve, portanto, expressar a alegria, a fé e a esperança. É Jesus mesmo quem nos ensina a esse respeito: “Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. (...) Quando jejuares, perfuma a tua cabeça e lava teu rosto Assim não parecerá aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai, que vê no segredo” (Mt 6,16-18).

QUAIS OS BENEFÍCIOS E EFEITOS DO JEJUM?

Os benefícios do jejum vão além da vida espiritual. Eles cobrem muitos aspectos da vida humana. Além do domínio dos vícios, o jejum enobrece a mente, auxilia alcançar as virtudes da sabedoria, da prudência e temperança, promove o bem-estar, recupera as perdas espirituais e nos prepara para a batalha do dia-a-dia da fé; por isto é eficaz em quatro áreas fundamentais.
a) Alimentar e física:
• Disciplina a forma desordenada e irregular de comer e o mau hábito de beliscar entre asrefeições, fumar, tomar café, chás, doces, lanches e refrigerantes, a todo instante;
• Elimina o reprovável desperdício e ensina a conhecer o valor nutritivo dos alimentos vegetais e animais e a importância dos produtos naturais, orgânicos;
• Torna o corpo mais saudável através do bom funcionamento do sistema digestivo e possibilita aumento a expectativa de vida.
b) Mental e psicológica:
• Mantém a mente descansada, mais aberta e sensível às coisas espirituais, atividades e à criatividade intelectual em diversas áreas;
• Aumenta a estabilidade mental e psicológica através do domínio das emoções, torna o corpo leve, ativo e incansável (a história demonstra que os filósofos pagãos, na Grécia antiga, para um melhor desempenho intelectual, jejuavam espontaneamente antes de entrarem em debates públicos).
c) Moral e religiosa:
• Supera as dependências e apegos às coisas materiais supérfluas e amplia a consciência do ser;
• Fortalece a vontade, renova a força moral e consolida os verdadeiros valores e a fé;
• Estimula a partilha com generosidade e abre o nosso coração à caridade, oferecendo aos necessitados, os que sofrem, aquilo que vem a sobrar em nossas despensas: “Boa coisa é a oração acompanhada de jejum, e a esmola é preferível aos tesouros de ouro escondidos” (Tb 12,8)
• Traz o domínio sobre a presunção, a indolência espiritual e moral e intensifica a genuína piedade.
d) Vida de fé:
• Prepara para uma intensa participação nos mistérios da Fé, nos Sacramentos, em particular da Penitência ou Confissão e da Eucaristia.
E produz:
• Maior qualidade de vida interior, vida na graça e união íntima, real, natural, pessoal e constante com Deus;
• Docilidade e abertura às inspirações do Espírito Santo;
• Maior silêncio, busca da meditação, confiança e disposição para a adoração;
• Maior disponibilidade para servir, para a missão e para o próximo;
• Libertação a partir da renúncia à gula, luxúria, preguiça e demais pecados capitais;
• É uma poderosa arma contra as tentações do Inimigo;
• Portanto não deve ser visto como um dever, mas um direito que nos abre à Graça.

 QUAIS OS PREJUÍZOS QUANDO NÃO PRATICAMOS O JEJUM?

O maior prejuízo, sem dúvida, é deixar-se levar pelas tendências humanas da “vida segundo a carne”, como nos ensina São Paulo (Rm 8). Não se trata de viver o dualismo corpo e espírito, muito enfatizado na Idade Média, que via como mal e pecaminoso tudo o que se relacionava aocorpo. Isso, de fato, é um exagero e não corresponde à doutrina cristã: Deus, que criou-nos também o corpo, “viu que tudo era bom” (Gn 1,31).

QUAL A REGULARIDADE PARA PRATICAR O JEJUM?

O jejum não deve ser praticado em demasia e exagero, pois isso causa prejuízo ao corpo,constituindo-se nesse caso um mal e não um bem. É preciso bom senso e equilíbrio. No Código de Direito Canônico, a Igreja nos ensina que “os dias e tempos penitenciais, em toda a Igreja, são todas as sextas-feiras do ano e o tempo da quaresma” (Cân. 1250). E ainda: “Observe-se a abstinência de carne ou de outro alimento,
segundo as prescrições da conferência dos Bispos, em todas as sextas-feiras do ano, a não ser que coincidam com algum dia enumerado entre as solenidades; observem-se a abstinência e o jejum na quarta-feira de Cinzas e na sexta-feira da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo” (Can. 1251).
Há também a orientação da Igreja para o jejum que prepara a participação na Eucaristia: “Quem vai receber a Santíssima Eucaristia abstenha-se de qualquer comida ou bebida, excetuandose somente água e remédio no espaço de ao menos uma hora antes da sagrada comunhão” (Can.919).

QUEM PODE E QUEM DEVE PRATICAR O JEJUM?

Conforme o ensinamento da Igreja, no Código de Direito Canônico, “todos os fiéis, cada qual a seu modo, estão obrigados por lei divina a fazer penitência; mas, para que todos estejam unidos mediante certa observância comum da penitência, são prescritos dias penitenciais, em que os fiéis se dediquem de modo especial à oração, façam obras de piedade e caridade, renunciem a si mesmos, cumprindo ainda mais fielmente as próprias obrigações e observando principalmente o jejum e a abstinência, de acordo com os cânones seguintes” (Can. 1249).
A Igreja também ensina que “estão obrigados à lei da abstinência aqueles que tiverem completado catorze anos de idade; estão obrigados à lei do jejum todos os maiores de idade até os sessenta anos começados. Todavia, os pastores de almas e os pais cuidem que sejam formados para o genuíno sentido da penitência também os que não estão obrigados à lei do jejum e da abstinência em razão da pouca idade” (Can. 1252).

terça-feira, 7 de junho de 2011

SEGUNDO A BÍBLIA O QUE DEUS NOS FALA SOBRE O JEJUM?

O Antigo Testamento é rico em passagens que revelam a prática do jejum associada à vida espiritual. Eis apenas alguns exemplos: Lv 16,29; Nm 29,7; 1Rs 21,9; Esd 8,21; Tb 12,8; Jl 1,14, 2Sm 12,16. No livro do Gênesis pode-se encontrar uma primeira referência ao jejum, ainda que indireta, na ordem de Deus: “Podes comer do fruto de todas as árvores, do jardim, mas não comas do fruto da árvore da ciência do bem do mal, porque no dia em que dele comeres, morrerás indubitavelmente” (Gn 2, 16-17).
Na cultura judaica, o jejum era cumprido rigorosamente, o que é atestado pelos constantes desencontros de Jesus com os fariseus a respeito do tema (Mc 2,18; Lc 5,33).
Jesus jejuou durante quarenta dias e quarenta noites, depois do seu batismo (Mt 4,2). O jejum de Jesus precede o início da pregação de Jesus (Mt 4,17), a escolha dos primeiros discípulos (Mt 4, 18-22), as primeiras curas (Mt 4,23-25) e o sermão sobre as bem-aventuranças (Mt 5,1-12). O jejum é necessário para o apostolado. Aumenta nossa intimidade com Deus Pai e potencializa nossa oração (Mt 17,14-20; Mc 9,29). Com efeito, Jesus declarou certa ocasião: "quanto a esta espécie de demônio, só se pode expulsar à força de oração e de jejum”.
O Livro de Atos registra os crentes jejuando antes de tomarem importantes decisões (Atos 13:4; 14:23).
São Paulo dá um sentido mais amplo ao jejum, inserindo-o nas práticas que nos ajudam aviver segundo o Espírito e não apenas segundo a carne: “Portanto irmãos, não somos devedores da carne, para que vivamos segundo a carne. De fato, se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis, pois todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus (Rm 8, 13-14).

segunda-feira, 6 de junho de 2011

O QUE A IGREJA FALA SOBRE O JEJUM?

A Igreja reconhece o valor e o significado profundo do jejum para a espiritualidade cristã. O quinto mandamento da Igreja nos orienta a “Jejuar e abster-se de carne, conforme manda a Santa Mãe Igreja” (Catecismo, 2043).Entre os chamados Padres da Igreja, os primeiros teólogos das origens cristãs, Santo Agostinho reconhece o valor espiritual e moral do jejum: “a abstinência purifica a alma,eleva a mente, subordina a carne ao espírito, cria um coração humilde e contrito, espalha as nuvens da concupiscência, extingue o fogo da luxúria e acende a verdadeira luz da castidade” (Sermão sobre a oração e o jejum).
Em nosso tempo, a Igreja ainda recomenda a prática do jejum. O jejum é citado no Catecismo da Igreja Católica em 9 parágrafos específicos. Os parágrafos são: 575, 1387, 1430,1434, 1438, 1755, 1969, 2043 e 2742. Síntese desse ensinamento é a mensagem de que os gestos exteriores (saco e cinzas, jejuns e mortificações) não devem ser vazios, mas devem ser acompanhados da conversão do coração ou da penitência interior: é por essa razão que o jejum é associado ao Sacramento da Reconciliação.
Além do jejum, a oração e a esmola aparecem como as principais formas de expressão da penitência interior. Assim, o jejum, a oração e a esmola representam a conversão em relação a si mesmo, a Deus e aos outros (Catecismo, 1434). Como afirmou o Papa Bento XVI, na homilia da celebração da Quarta-Feira de Cinzas, deste ano, “em relação harmoniosa com a oração, também o jejum e a esmola podem ser considerados lugares de aprendizagem e prática da esperança cristã”. O Concílio Vaticano II assim nos ensina: “A penitência do tempo quaresmal não deve ser somente interna e individual, mas também externa e social. Fomente-se a prática penitencial de acordo com as possibilidades de nosso tempo, dos diversos países e da condição dos fiéis (...). Tenha-se como sagrado o jejum pascal que há de celebrar-se em todos os lugares na Sexta-feira da Paixão e Morte do Senhor e ainda estender-se segundo as circunstâncias, ao Sábado Santo, para que deste modo cheguemos à alegria do Domingo da Ressurreição com ânimo elevado e grande
entusiasmo” (Sacrosanctum Concilium, n. 110).
Para o Papa Bento XVI, “jejuar significa aceitar um aspecto essencial da vida cristã. É necessário redescobrir também o aspecto corporal da fé, a abstinência do alimento é um desses aspectos” (Joseph Ratzinger, no livro A Fé em crise?).

sábado, 4 de junho de 2011

Bênçãos da Oração do Rosário:

* Proteção especial na vida
* Morte feliz
* Salvação eterna de sua alma
* Não morrerá sem os sacramentos
* Não morrerá flagelado pela pobreza
* Tudo obterá por meio do Rosário
* A devoção do Rosário será sinal certo de salvação
* Os que rezarem o Rosário serão libertos do purgatório no dia de sua morte
* Terão grande glória no Céu
* Aos que propagarem o Rosário, Maria promete ajudar em todas as necessidades.
* Os pecadores serão perdoados.
* As almas áridas serão restauradas.
* Aqueles que estão acorrentados terão suas correntes rompidas.
* Aqueles que choram encontrarão felicidade.
* Aqueles que são tentados encontrarão paz.
* O pobre encontrará ajuda.
* Os religiosos serão corretos.
* Aqueles que são ignorantes serão instruídos.
* O ardente aprenderá a superar o orgulho.
* Os defuntos (as almas santas do purgatório) terão alívio em suas penas do sufrágio.

Benefícios da Oração do Rosário

* Gradualmente nos dá uma perfeita consciência de Jesus.
* Purifica nossas almas, lava o pecado.
* Dá-nos vitória sobre todos nossos inimigos.
* Torna-nos fácil a prática das virtudes.
* Faz arder em nós o amor do Senhor.
* Enriquece-nos de graças e méritos.
* Provém-nos o que é necessário para pagar todos os nossos débitos a Deus e aos irmãos; e, finalmente, obtém de Deus, todos os tipos de graças para nós.

Promessas de Maria Santíssima aos devotos do Rosário

* A todos aqueles que recitarem o meu Rosário promete a minha especialíssima proteção.
* Quem perseverar na reza do meu Rosário, receberá graças potentíssimas.
* O Rosário será uma arma potentíssima contra o inferno, destruirá os vícios, dissipará o pecado e derrubará as heresias.
* O Rosário fará reflorir as virtudes, as boas obras e obterá às almas as mais abundantes a Misericórdias de Deus.
* Quem confiar-se a Mim, com o Rosário, não será nunca oprimido pelas adversidades.
* Quem quer que recite devotadamente o Santo Rosário, com a meditação dos Mistérios, se converterá se pecador, crescerá em graça se justo e será feito digno da vida eterna.
* Os devotos do Meu Rosário na hora da morte, não morrerão sem sacramentos.
* Aqueles que rezam o Meu Rosário encontrarão, durante sua vida e na hora de sua morte, a luz de Deus e a plenitude das suas graças e participarão aos méritos dos abençoados no Paraíso.
* Eu libertarei, todos os dias, do Purgatório, as almas devotas do Meu Rosário.
* Os verdadeiros filhos do Meu Rosário, gozarão de uma grande alegria no Céu.
* Aquilo que se pedir com o Rosário se obterá.
* Aqueles que propagarem o Meu Rosário serão por mim socorridos em todas as suas necessidades.
* Eu consegui do Meu Filho que todos os devotos do Rosário tenham, por irmãos em sua vida e na hora de sua morte, os Santos do Céu.
* Aqueles que recitarem o Meu Rosário fielmente serão todos filhos meus amaríssimos, irmãos e irmãs de Jesus.
* A devoção do Santo Rosário é um grande sinal de predestinação.
"O Rosário, lentamente recitado e meditado - em família, em comunidade,

“Pessoalmente, vos fará penetrar, pouco a pouco, nos sentimentos de Jesus Cristo e de sua Mãe,
evocando todos os acontecimentos que são a chave de nossa salvação”.
(João Paulo II)

“Quando se recita o Rosário revivem-se os momentos importantes e significativos da história da
salvação; percorrem-se as várias etapas da missão de Cristo. Com Maria orienta-se o coração
para o mistério de Jesus. Coloca-se Cristo no centro da nossa vida, do nosso tempo, das nossas
cidades, mediante a contemplação e a meditação dos seus santos mistérios de alegria, de luz, de
dor e de gloria”.
(Papa Bento XVI)

sexta-feira, 3 de junho de 2011

OS BENEFÍCIOS E AS BENÇÃOS DO ROSÁRIO

Conforme as palavras do Santo Padre João Paulo II: O Rosário é a oração para este mundo. Para salvação das pessoas, para a Transformação das famílias. Para a mudança da nossa sociedade e para
que o mundo seja salvo. É a oração dos simples, é a oração dos sábios, é a oração dos pobres. É a oração de todos! É uma Maravilhosa Terapia: Se você vive cansado, se você está com insônia, se procura auxílio nos calmantes, tente rezar o Rosário(ou o Terço). Ele não é tóxico e produz um efeito maravilhoso. O Rosário descontrai, gera confiança, acalma as tensões, dá ânimo e motivação para o trabalho, além da alegria, paciência e tolerância. Nos livra dos pensamentos negativos. É fonte de bênçãos e de graças. Tente rezá-lo e você mesmo descobrirá. É uma Oração Simples e Profunda: Até as crianças podem rezar o Rosário e colher seus frutos. É uma oração simples. Parece que surgiu no meio do povo mais humilde. Mas mesmo os grandes místicos perceberam nesta oração uma fonte inesgotável de benefícios espirituais. O Rosário é uma oração profunda.
É uma Escola de Oração: Precisamos aprender a rezar. Muitas pessoas não sabem como se achegar a Deus. O Terço será uma verdadeira e grande Escola. Ele fortifica a nossa fé, apresenta-nos Maria como Mediadora, dá-nos lições de penitência, faz retornar os dissidentes.
É uma Oração Atual: Cada dia se fala de meditação. Nosso mundo agitado está começando a dar sinais de cansaço. Cresce o interesse pelos métodos orientais de oração. O Rosário é de inspiração oriental....E é cristão. Por que não ensiná-lo às novas gerações?
É uma Oração Libertadora: O Rosário liberta porque nos põe em íntimo diálogo com o Libertador (Jesus). Maria canta: “Derruba os poderosos de seus tronos e eleva os humildes” (Lc 1,52.53). Entre um mistério e outro repetimos: “Jesus, socorrei principalmente os que mais precisarem”. É a opção preferencial pelos pobres presente no terço. A oração do Terço(ou Rosário) nos livra dos pensamentos negativos. Nos dá equilíbrio em todas as situações do nosso dia a dia. É uma Oração Popular: Na cidade ou no campo – religiosos, leigos, bispos, padres, até o Papa, todos têm uma simpatia especial pelo Rosário(ou o Terço).
Não é a oração oficial da Igreja. Mas sempre foi rezado por toda a Igreja, principalmente pelo povo
simples que encontra nele uma maneira prática de estar com Deus. É uma oração que traz a paz e a união para as famílias: O Rosário sempre foi oração querida das famílias e muito favoreceu sua união e seu crescimento. Sua oração torna-se motivo e oportunidade de a família encontrar-se, no corre-corre da vida e com o pouco tempo que dispõe de estar junto tomado pelas imagens da televisão. "Retomar a recitação do Rosário em família significa inserir na vida diária imagens bem diferentes - as do mistério que salva: a imagem do Redentor, a imagem de sua Mãe Santíssima. A família, que reza unida o Rosário, reproduz em certa medida o clima da casa de Nazaré: põe-se Jesus no centro, partilha-se com Ele alegrias e sofrimentos, colocam-se em suas mãos necessidades e projetos, e d'Ele se recebe a esperança e a força para o caminho" (RMV, 41). Rezando o Rosário pelos filhos e com eles, os pais estarão apresentando as etapas de crescimento de Jesus, desde a encarnação até a ressurreição como seu ideal de vida. Ao mesmo tempo, estarão realizando a catequese da oração. É uma Oração Cinematográfica: Enquanto repetimos as palavras, a imaginação vai criando em nossa mente o filme da vida de Cristo. Este modo de rezar é conhecido por “contemplação”. A devoção do rosário é preciosa e nos traz muitos benefícios e bênçãos:

quinta-feira, 2 de junho de 2011

COMO PREPARAR-SE E COMO REZAR O ROSÁRIO?

Para recitar o Rosário com verdadeiro proveito deve-se estar em estado de graça ou pelo menos ter a firme resolução de renunciar o pecado mortal. O Santo Rosário nos permite percorrer os grandes momentos da obra salvífica de Cristo, acompanhados por nossa Mãe Maria, de quem tomamos o exemplo de “guardar todas estas coisasno coração”. Além de ter como centro os Mistérios de Cristo, em conexão com a Trindade Santa e a vida de Nossa Senhora, o Rosário torna presentes as circunstâncias de nossa existência: alegrias,
esperanças, angústias, inspirações, bem como dores e decepções.O Rosário é “composto de quatro blocos de Mistérios, conforme o acréscimo, feito pelo Papa João Paulo II, com a edição da Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae”.


Como rezar?
Oferecimento do terço:

Divino Jesus, nós Vos oferecemos este terço que vamos rezar, meditando nos mistérios da nossa redenção. Concedei-nos, por intercessão da Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, as virtudes que nos são necessárias para bem rezá-lo e a graça de ganharmos as indulgências desta santa devoção. Oferecemos, particularmente, em desagravo dos pecados cometidos contra o Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria, pela paz no mundo, pela conversão dos pecadores,pelas almas do purgatório, pelas intenções do Santo Padre nosso vigário, pela santificação das famílias, pelas missões, pêlos doentes, pelos agonizantes, pôr aqueles que pediram nossas intenções particulares, pelo Brasil e pelo mundo inteiro.

1 - Segurando o Crucifixo, fazer o Sinal da Cruz: Em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo.
Amém.
2 - Em seguida, ainda segurando a cruz, rezar o Credo.
3 - Na primeira conta grande, recitar um Pai Nosso.
4 - Em cada uma das três contas pequenas, recitar uma Ave Maria.(em honra à Santíssima Trindade
– Pai, Filho e Espírito Santo)
5 - Recitar um Glória antes da seguinte conta grande.
6 - Anunciar o primeiro Mistério do Rosário do dia e recitar um Pai Nosso na seguinte conta
grande.
7 - Em cada uma das dez seguintes contas pequenas (uma dezena) recitar um Ave Maria enquanto
se faz uma reflexão sobre o mistério.
8 - Recitar um Glória depois das dez Ave Maria. Também se pode rezar a oração ensinada por
Nossa Senhora, quando de sua aparição em Fátima. (Óh! meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo
do inferno. Levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente as que mais precisarem, da
Vossa misericórdia Senhor Jesus. Abençoai o Santo Padre o Papa, os seus sacerdotes e toda a Santa
Igreja. Abençoai as nossas famílias, aumentai a nossa fé e dai-nos a Vossa Paz)
9 - Cada uma das seguintes dezenas é recitada da mesma forma: anunciando o correspondente
mistério, recitando um Pai Nosso, dez Ave Maria e um Glória enquanto se medita o mistério.
10 - Ao se terminar o quinto mistério o Rosário costuma ser concluído com a oração da Salve
Rainha.

Mistérios gozosos (segunda-feira e sábado)
1º - O anjo Gabriel anuncia que Maria será a Mãe do Filho de Deus.(Lc 1,26-38)
2º - Maria visita sua prima Isabel. (Lc 1,39-56)
3º - Nascimento de Jesus em uma gruta, em Belém (Lc 2,1-21)
4º - Apresentação do Menino Jesus no templo (Lc 2,22-40)
5º - Encontro de Jesus no templo entre os doutores da lei (Lc 2,41-52)

Mistérios dolorosos (terça-feira e sexta-feira)
1º - Agonia mortal de Jesus no horto das Oliveiras (Mt 26,36-46)
2º - Flagelação de Jesus atado à coluna (Mt 27,11-26)
3º - Coroação de espinhos de Jesus pôr seus algozes (Mt 27,27-31)
4º - Subida dolorosa de Jesus carregando a Cruz até o Calvário (Jo 19,17-24)
5º - Crucificação e Morte de Jesus (Jo 19,25-37)

Mistérios gloriosos (quarta-feira e domingo)
1º - Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo (Jo 20,1-18)
2º - Ascensão gloriosa de Jesus Cristo ao céu (At 1,4-11)
3º - Descida do Espírito Santo sobre os apóstolos (At 2, 1-13)
4º - Assunção gloriosa de Nossa Senhora ao céu (Sl 44,11-18)
5º - Coroação de Nossa Senhora no céu (Ap 12,1-4)

Mistérios luminosos (quinta-feira)
1º - O Batismo de Jesus no rio Jordão (Mt 3,13-17)
2º - A sua auto-revelação nas bodas de Caná (Jo 12,1-12)
3º - Jesus anuncia o Reino de Deus com o convite à conversão
(Mc 1,15 * Mc 2,3-13 * Lc 7,47-48 * Jo 20, 22-23)
4º - A Transfiguração de Jesus no monte Tabor (Lc 9,28-36)
5º - A instituição da Eucaristia, expressão sacramental do mistério pascal (Jo 13,1-20)

quarta-feira, 1 de junho de 2011

O QUE A BÍBLIA FALA SOBRE O ROSÁRIO?

A devoção do rosário é preciosa e valorosa por um grande motivo:

É uma Oração Bíblica: O Pai Nosso é a oração que Jesus nos ensinou. A Ave-Maria na primeira parte, é a saudação que lemos no Evangelho àquela que seria escolhida para ser a Mãe de Deus (Lc1,28.42). O Rosário (ou Terço) repete as palavras do Evangelho. Quando rezamos, realizamos a profecia de Maria no Magnificat: “Todas as gerações me chamarão de bendita” (Lc 1,48). Bendita sois vós entre as mulheres....
Cristo está no Centro do Rosário (e do Terço): Para Cristo se dirigem e dele decorrem todos os acontecimentos da nossa salvação. Ele nasce. Ele cresce. Anuncia o Reino. Realiza a vontade do Pai. Sofre a Paixão. Vence a morte. Vive.São os mistérios da vida de Jesus. São os mistérios do Terço (ou do Rosário).
O "Glória", por nos falar da doxologia trinitária, é o apogeu da contemplação. Ele é posto em grande evidência no Rosário(ou no Terço). Na medida em que a meditação do mistério tiver sido -de Ave Maria em Ave Maria - atenta, profunda, animada pelo amor de Cristo e por Maria, a glorificação trinitária de cada dezena, em vez de reduzir-se a uma rápida conclusão, adquirirá o seu justo tom contemplativo, quase elevando o espírito à altura do Paraíso e fazendo-nos reviver de certo modo a experiência do Tabor, antecipação da contemplação futura: « Que bom é estarmos aqui! » (Lc 9, 33)."(RVM34)
A jaculatória final varia segundo os costumes. Sem diminuir em nada o valor de tais invocações, parece oportuno assinalar que a contemplação dos mistérios poderá manifestar melhor toda a sua fecundidade, se tivermos o cuidado de terminar cada um dos mistérios com uma oração para obter os frutos específicos da meditação desse mistério. (...) Uma tal oração conclusiva poderá gozar, como acontece já, de uma legítima variedade na sua inspiração. Assim, o Rosário adquirirá uma fisionomia mais adaptada às diferentes tradições
espirituais e às várias comunidades cristãs. “(RVM35)”.
A recitação termina com a oração pelas intenções do Papa, para estender o olhar de quem reza ao amplo horizonte das necessidades eclesiais. Foi precisamente para encorajar esta perspectiva eclesial do Rosário que a Igreja quis enriquecê-lo com indulgências sagradas para quem o recitar com as devidas disposições.
O centro do Rosário(ou do Terço) é Cristo crucificado. O Rosário é uma oração amorosa e profunda, devoção querida da piedade popular, que nos mostra ser uma oração Bíblica, pois é cristológica, uma espécie de compêndio do Evangelho, que concentra a profundidade de toda a mensagem de Cristo. No Rosário ecoa a oração de Maria. Com ele, o povo cristão freqüenta a escola de Maria para introduzir-se na contemplação do rosto de Cristo e na experiência do seu amor infinito.