" Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta. AI DE MIM SE EU NÃO ANUNCIAR O EVANGELHO. (I Cor 9,16)

segunda-feira, 25 de abril de 2011

QUAIS OS BENEFÍCIOS E EFEITOS DA CONFISSÃO?

O maior benefício da confissão é voltar a viver “de acordo com Deus”, como Santo
Agostinho escreveu:
“Aquele que confessa os seus pecados e os acusa, já está de acordo com Deus. Deus
acusa os teus pecados; se tu também os acusas, juntas-te a Deus. O homem e o pecador
são, por assim dizer, duas realidades distintas. Quando ouves falar do homem, foi Deus
que o criou: quando ouves falar do pecador, foi o próprio homem quem o fez. Destrói o
que fizeste, para que Deus salve o que fez. [...] Quando começas a detestar o que fizeste,
é então que começam as tuas boas obras, porque acusas as tuas obras más. O princípio
das obras boas é a confissão das más. Praticaste a verdade e vens à luz” (Cf. Catecismo,
n. 1458).
A confissão opera em nós duas reconciliações, o restabelecimento de dois laços: com Deus e
com a Igreja, como já dissemos, mas é preciso sublinhar novamente. De fato, “toda a eficácia da
Penitência consiste em nos restituir à graça de Deus e em unir-nos a Ele numa amizade perfeita. O
fim e o efeito deste sacramento são, pois, a reconciliação com Deus” (Catecismo, n. 1468). Por
outro lado, “este sacramento reconcilia-nos com a Igreja. O pecado abala ou rompe a comunhão
fraterna. O sacramento da Penitência repara-a ou restaura-a. Nesse sentido, não se limita apenas a
curar aquele que é restabelecido na comunhão eclesial, mas também exerce um efeito vivificante
sobre a vida da Igreja que sofreu com o pecado de um dos seus membros” (Catecismo, 1469).

Nenhum comentário:

Postar um comentário