" Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta. AI DE MIM SE EU NÃO ANUNCIAR O EVANGELHO. (I Cor 9,16)

segunda-feira, 18 de abril de 2011

O QUE A IGREJA FALA SOBRE A RECONCILIAÇÃO.

O Catecismo da Igreja Católica é, sem dúvida, a grande referência da palavra da Igreja sobre
as verdades da fé, incluindo o sacramento da reconciliação. Ele faz alusão a outros textos
importantes do magistério da Igreja (os escritos dos papas, documentos do Concílio Vaticano II,
etc).
A reconciliação deve ser compreendida à luz do ensinamento da Igreja sobre o pecado.
Convido você a dedicar algum tempo para estudar o que o Catecismo nos ensina sobre este tema (n.
1846-1876). A melhor síntese do que é o pecado foi descrita por Santo Agostinho, que escreveu: “O
pecado é amor de si mesmo até ao desprezo de Deus”. Santo Agostinho, sem dúvida, viveu a
experiência do pecado e da misericórdia, como nos relata em suas Confissões. Por isso, ele é aqui
citado diversas vezes, como uma referência pessoal, mas também como o maior representante da
tradição patrística da Igreja.
Onde o pecado manifestou toda sua força e violência? O Catecismo responde a esta pergunta
dizendo:
“É precisamente na paixão, em que a misericórdia de Cristo o vai vencer, que o pecado
manifesta melhor a sua violência e a sua multiplicidade: incredulidade, ódio assassino,
rejeição e escárnio por parte dos chefes e do povo, cobardia de Pilatos e crueldade dos
soldados, traição de Judas tão dura para Jesus, negação de Pedro e abandono dos
discípulos. No entanto, mesmo na hora das trevas e do príncipe deste mundo, o sacrifício
de Cristo torna-se secretamente a fonte de onde brotará, inesgotável, o perdão dos nossos
pecados” (Catecismo, n. 1851).
O Concílio Vaticano II nos ensina que a reconciliação tem um duplo sentido: em primeiro
lugar, refere-se ao nosso reencontro com Deus; em segundo lugar, significa também nossa
reconciliação com a Igreja: “Aqueles que se aproximam do sacramento da Penitência obtêm da
misericórdia de Deus o perdão da ofensa a Ele feita e, ao mesmo tempo, são reconciliados com a
Igreja, que tinham ferido com o seu pecado, a qual, pela caridade, exemplo e oração, trabalha pela
sua conversão” (LG, 11).
O Catecismo reforça este ensinamento, quando escreve:
“O pecado é, antes de mais, ofensa a Deus, ruptura da comunhão com Ele. Ao mesmo
tempo, é um atentado contra a comunhão com a Igreja. É por isso que a conversão traz
consigo, ao mesmo tempo, o perdão de Deus e a reconciliação com a Igreja, o que é
expresso e realizado liturgicamente pelo sacramento da Penitência e Reconciliação”
(Catecismo, n. 1440).
Chamamos a atenção para o uso que a Igreja faz de diferentes nomes para esse sacramento.
Cada um deles indica uma direção diferente, que não se opõem nem se excluem, mas se
complementam. Cada um deles mostra uma ênfase distinta, como as várias faces de um diamante:
1) a penitência acena mais para o sacrifício, a pena, a expiação do pecado; ela
“consagra um esforço pessoal e eclesial de conversão, de arrependimento e de satisfação do
cristão pecador” (Catecismo, n. 1423);
2) a confissão indica mais a atitude de assumir publicamente nossos erros e de
tomarmos consciência de nossa responsabilidade; a Igreja declara que “a confissão dos
pecados diante de um sacerdote é um elemento essencial desse sacramento” (Catecismo,
1424);
3) chama-se também sacramento do perdão, pois por meio dele Deus nos concede “o
perdão e a paz”, como reza a fórmula da absolvição;
4) por fim, é o sacramento da reconciliação que melhor explica a natureza e o
mistério desse sacramento: por ele, desfazemos o abismo que nos separou de Deus, reatamos
o nó que nos liga a Deus, voltamos à amizade e à convivência com Deus, como Jesus
mostrou pela parábola do filho pródigo (Lc 15, 11-32) e cumprimos aquilo que o Apóstolo
Paulo nos ensina: “Reconciliai-vos com Deus” (2Cor 5,20).
A Igreja também nos convida a observar os tempos propícios à conversão ao longo do ano
litúrgico:
“Os tempos e os dias de penitência no decorrer do Ano Litúrgico (tempo da Quaresma,
cada sexta-feira em memória da morte do Senhor) são momentos fortes da prática
penitencial da Igreja. Estes tempos são particularmente apropriados para os exercícios
espirituais, as liturgias penitenciais, as peregrinações em sinal de penitência, as
privações voluntárias como o jejum e a esmola, a partilha fraterna (obras caritativas e
missionárias)” (Catecismo, n. 1438).

Nenhum comentário:

Postar um comentário