" Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta. AI DE MIM SE EU NÃO ANUNCIAR O EVANGELHO. (I Cor 9,16)

quarta-feira, 27 de abril de 2011

O QUE A IGREJA FALA SOBRE A BÍBLIA.

A Palavra de Deus tem sido algo de profunda reflexão na Igreja Católica. Há um clamor em todas
as comunidades para que a Sagrada Escritura seja realmente mais valorizada, mais vivida, mais
amada e mais lida. Não é em vão que os Bispos do mundo inteiro estão estudando este tema no
Sínodo Geral: A PALAVRA DE DEUS NA VIDA E NA MISSÃO DA IGREJA.
Seu objetivo principal deste Sínodo é incentivar a prática do encontro com Jesus Cristo na
Sagrada Escritura.
Fazendo uma pequena comparação, por exemplo, quando compramos um aparelho
eletrônico (televisão, DVD, celular, etc), esses produtos vem com um manual que orienta para o seu
uso correto. Da mesma forma quando queremos conhecer a história de alguém famoso (um santo,
uma santa, um rei, uma rainha, etc), fazemos uso da biografia dessas pessoas. Dessa maneira nós
acabamos conhecendo como não estragar os aparelhos eletrônicos e a história de uma pessoa
humana.
“Encontramos Jesus na Sagrada Escritura, lida na Igreja. A Sagrada Escritura, “Palavra de
Deus escrita por inspiração do Espírito Santo”, é, com a Tradição, fonte de vida para a Igreja e
alma de sua ação evangelizadora. Desconhecer a Escritura é desconhecer Jesus Cristo e
renunciar a anunciá-lo.”
Documento de Aparecida, n. 247.

Aqui está à chave para tomarmos a Palavra de Deus como fonte de inspiração para as nossas
vidas. Para o Povo de Deus, a Bíblia é lugar privilegiado no qual encontra-se a sua história e
experiência pessoal com Deus. Este conjunto de Livros modificou a estrutura da história humana,
tamanha é a profundidade e o irresistível conteúdo contido nestas sagradas páginas.
A Bíblia não foi feita por mentes humanas, mais inspirada por Deus através de diversos
autores. Em comum tiveram a preocupação em manter a história e a identidade de um povo amado e
escolhido. A bíblia possui dois testamentos: o Antigo e o Novo, o primeiro preparou a vinda do
messias, Jesus Cristo, narrada no Novo Testamento.

"Testamento" tem aqui o sentido antigo de "pacto atestado", pois a experiência religiosa de
Israel se apresenta em forma de um pacto, uma aliança oferecida por Deus ao "povo eleito",
Israel, e, segundo os cristãos, renovada e ampliada por Jesus de Nazaré para o mundo inteiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário