" Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta. AI DE MIM SE EU NÃO ANUNCIAR O EVANGELHO. (I Cor 9,16)

terça-feira, 26 de abril de 2011

Confissão...

QUAIS OS PREJUÍZOS QUANDO NÃO CONFESSAMOS REGULARMENTE?

O maior prejuízo da falta de confissão regular é viver longe da graça de Deus.
Comprometemos e colocamos em risco, assim, a nossa própria salvação. “Deus nos criou sem nós,
mas não quis salvar-nos sem nós” (Santo Agostinho). Por isso, sem nossa atitude livre e decidida de
recorrer ao perdão de Deus e de nos converter, Deus não pode nos salvar.
Precisamos entender que “a confissão regular dos nossos pecados veniais ajuda-nos a formar
a nossa consciência, a lutar contra as más inclinações, a deixarmo-nos curar por Cristo, a progredir
na vida do Espírito. Recebendo com maior freqüência, neste sacramento, o dom da misericórdia do
Pai, somos levados a ser misericordiosos como Ele” (Catecismo, 1458).

QUAL A REGULARIDADE DA CONFISSÃO?

A Igreja nos ensina que a confissão deve ser buscada “ao menos uma vez ao ano”
(Catecismo, n. 1457). Contudo, não devemos nos contentar com o mínimo. Jesus mesmo fala,
referindo-se à pecadora que sentou-se a seus pés na casa de Simão: “A quem muito amou, muito foi
perdoado”. Quanto mais amamos a Deus, mais somos por ele perdoados. Quanto mais recorremos
ao Seu Amor, mais Ele desce a nós e nos faz viver em comunhão com Seu Espírito. Por isso, a
Igreja também afirma que “Sem ser estritamente necessária, a confissão das faltas quotidianas
(pecados veniais) é contudo vivamente recomendada pela Igreja” (Catecismo, n. 1458).
No caso de pecados graves, no entanto, a Igreja assim ensina:
“Aquele que tem consciência de haver cometido um pecado mortal, não deve receber a
sagrada Comunhão, mesmo que tenha uma grande contrição, sem ter previamente
recebido a absolvição sacramental; a não ser que tenha um motivo grave para comungar
e não lhe seja possível encontrar-se com um confessor” (Catecismo, n. 1457).

 QUEM PODE SE CONFESSAR?

Conforme a recomendação da Igreja, “todo o fiel que tenha atingido a idade da discrição,
está obrigado a confessar fielmente os pecados graves, ao menos uma vez ao ano” (Catecismo, n.
1457) e, ainda: “As crianças devem aceder ao sacramento da Penitência antes de receberem pela
primeira vez a Sagrada Comunhão” (Catecismo, n. 1457).
Há ainda um outro aspecto: a confissão deve ser buscada por aqueles cristãos que, de fato,
querem (e podem) realizar a conversão de vida. Não é lícito buscar o sacramento sem sincero
arrependimento e mudança de vida. Se eu busco o sacramento, mas não quero deixar de viver como
estava vivendo, em estado de pecado, estou abusando da graça de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário